Notícias

Sucessão é tema de seminário do Programa Aprendiz Cooperativo do Campo

21/11/2016

“Temos muito a agradecer pela oportunidade de participar do Programa Aprendiz Cooperativo do Campo, atividades teóricas e práticas que contribuem para que sejamos pessoas melhores. Assim, não permitimos que o setor primário morra.” A citação é da presidente da Cooperativa Escolar de Aprendizagem Teutônia (COOPEAT), Letícia Diesel da Costa (15), durante apresentação no 1º Seminário do Programa Aprendiz Cooperativo do Campo, iniciativa do sistema Ocergs-Sescoop/RS, do Colégio Teutônia e da Cooperativa Languiru, realizado no dia 12 de novembro no educandário.

Perius ressaltou importância da profissionalização (Fotos: Leandro Augusto Hamester)
Perius ressaltou importância da profissionalização (Fotos: Leandro Augusto Hamester)

A COOPEAT, que tem como lema “Plantando ideias, colhendo conhecimento”, é formada por aprendizes cotizados pela Languiru que participam da inédita formação do Aprendiz Cooperativo do Campo, lançada em 26 de fevereiro deste ano, nesta que é a primeira turma a iniciar esta modalidade de aprendizagem no país. A cooperativa escolar, fundada em assembleia no dia 05 de julho de 2016, produz balas de mel com gengibre, cuida de horta com produção de hortaliças e, mais recentemente, iniciou a produção de rapaduras de chocolate.

Vice-presidente (e) e presidente da Cooperativa Escolar de Aprendizagem Teutônia (COOPEAT), Djonatan José Schuck e Letícia Diesel da Costa
Vice-presidente (e) e presidente da Cooperativa Escolar de Aprendizagem Teutônia (COOPEAT), Djonatan José Schuck e Letícia Diesel da Costa

Na apresentação institucional, a presidente Letícia e o vice-presidente Djonatan José Schuck (17) falaram do processo de constituição da COOPEAT, apresentaram a diretoria e os integrantes do Conselho Fiscal, além de detalharem o plano de gestão da cooperativa. “Muito do que aprendemos na teoria conseguimos colocar em prática na manutenção e gestão da nossa cooperativa escolar. Produzimos as hortaliças que vendemos, calculamos o custo de produção de nossos produtos e trabalhamos com uma margem de sobra desejada, aprendemos a trabalhar em equipe, realizamos a gestão de recursos produtivos, financeiros e de pessoas, além de nos divertirmos muito”, destacaram.

Convidados foram recepcionados no Miniauditório do Colégio Teutônia
Convidados foram recepcionados no Miniauditório do Colégio Teutônia

Entusiasmo

O diretor do Colégio Teutônia, Jonas Rückert, ressaltou a importância do Programa Aprendiz Cooperativo do Campo. “Vivemos um momento histórico e inédito, que nos enche de entusiasmo. Ações como essa são vanguarda e muito importantes para Teutônia e o Vale do Taquari, perpetuando o espírito cooperativo desde cedo nas escolas”, disse, agradecendo pelas parcerias.

Diretor do CT, Jonas Rückert
Diretor do CT, Jonas Rückert

O presidente da Cooperativa Languiru, Dirceu Bayer, também se disse contente em poder participar desse momento. “O agronegócio é propulsor da economia brasileira, ao mesmo tempo em que é um setor que apresenta muitos desafios. Os problemas políticos do país geram reflexos graves na economia e os jovens precisam estar preparados para os momentos de oscilação, sempre mantendo o otimismo. Viver no campo é qualidade de vida e desenvolvimento, precisamos nos unir e buscar esse reconhecimento na prática e não apenas no discurso”, desabafou.

Profissionalização do campo

O presidente da Organização das Cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul e Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Ocergs-Sescoop/RS), Vergilio Perius, também prestigiou o seminário e parabenizou Teutônia pelo seu trabalho e representatividade cooperativa. “Aqui encontramos uma base cooperativa muito forte, que contribui para o desenvolvimento de toda região. O Programa Aprendiz Cooperativo do Campo é muito rico, cooperativas brasileiras querem vir a Teutônia conhecer este projeto pioneiro, que também conta com turma de aprendizagem em Não-Me-Toque/RS”, enalteceu.

Presidente da Languiru, Dirceu Bayer
Presidente da Languiru, Dirceu Bayer

Para Perius, o sucesso do setor primário depende, também, da profissionalização das atividades. “O melhor que podemos fazer para que o jovem permaneça no campo é aliarmos teoria e prática. Ser um profissional do campo está diretamente relacionado à Educação. Com o Programa Aprendiz Cooperativo do Campo, buscamos também o envolvimento dos pais, o que contribui para a sucessão nas propriedades. Esse é um tema bastante complexo, mas que precisa ser definido em família e antes do inventário”, alertou.

Sucessão Geracional em Propriedades Rurais

Com a participação de estudantes, pais, professores e convidados de cooperativas, a programação do Seminário ainda contou com a palestra “Sucessão Geracional em Propriedades Rurais”, proferida pelo agrônomo e professor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM – Campus de Palmeiras das Missões), Adriano Lago, mestre em Extensão Rural e doutor em Agronegócios.

Presidente da Ocergs-Sescoop/RS, Vergilio Perius
Presidente da Ocergs-Sescoop/RS, Vergilio Perius

Ao elogiar o novo modelo do Aprendiz Cooperativo do Campo, Lago parabenizou Ocergs-Sescoop/RS, Languiru e Colégio Teutônia “por acreditarem e estarem empenhados nessa proposta, assumindo e fazendo a sua parte para a permanência dos jovens no campo e para a sucessão nas propriedades rurais”.

Conforme Lago, as cooperativas, por estarem presentes no dia a dia das propriedades rurais, devem promover a discussão para a sucessão. “Precisamos dos jovens dando continuidade às atividades. Quem vai produzir nossos alimentos, quem serão os futuros produtores e associados das cooperativas? O campo oferece muitas oportunidades de negócio e não existe uma receita para a sucessão. Cada situação apresenta suas particularidades, assim como os projetos de vida se modificam de geração para geração”, ponderou.

Palestrante Adriano Lago
Palestrante Adriano Lago

Para ele, a formação de uma nova geração de agricultores passa por três processos: sucessão com transferência da gestão da propriedade; herança, quando ocorre a transferência do patrimônio; e aposentadoria dos pais, com os pais parando somente no dia em que não apresentarem mais condições físicas de continuar.

Por fim, o palestrante alertou para a necessidade de alinharmos os negócios da propriedade com o futuro das novas gerações. “A sucessão deve ser vista como parte do planejamento da propriedade, a médio e longo prazo, e não como um acontecimento natural. E nesse processo, pergunto: devemos identificar o sucessor ou deixar que ele se identifique, esperar ou preparar? Quanto mais cedo tivermos essas definições, mais preparado o jovem estará para ser um proprietário de sucesso”, explicou, enaltecendo ainda o papel das escolas na formação. “O Colégio Teutônia tem dado importante contribuição com a constituição de cooperativas escolares. Com certeza vamos colher bons frutos dessa trajetória.”

Famílias participaram de atividades de integração no período da tarde, entre elas tarefas de gincana (Foto: Divulgação Colégio Teutônia)
Famílias participaram de atividades de integração no período da tarde, entre elas tarefas de gincana (Foto: Divulgação Colégio Teutônia)

À tarde, a programação do Seminário teve continuidade na Granja do Colégio Teutônia, com almoço e atividades de integração e gincana envolvendo também as famílias.

TEXTO – Leandro Augusto Hamester

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outras notícias

Fórum Tecnológico do Leite

Gerenciamento da propriedade fecha ciclo de palestras online

Fórum Tecnológico do Leite

Segunda noite do evento debate sistemas produtivos

66 anos

Cooperativa promove campanha exclusiva para associados

Fórum Tecnológico do Leite

Gestão reprodutiva do rebanho pauta primeira noite do evento

Comitê Mulheres Cooperadas

Saúde da mulher será tema de palestra no dia 27 de outubro

Temporada de Prêmios Languiru

Ganhadores do primeiro sorteio recebem premiação

Cadeia leiteira

Fórum Tecnológico do Leite traz ciclo de palestras online

Temporada de Prêmios Languiru 2021

Sorteados primeiros vales-compras e motocicleta

“Somos penta”

Prêmio Exportação RS reconhece trabalho da Languiru no segmento alimentos

Ao continuar a utilizar o nosso website você concorda com a nossa política de privacidade.