Notícias

Produtores associados da Languiru assistem palestra sobre genética e reprodução de bovinos

02/12/2014

A manhã do dia 24 de novembro foi diferente para um grupo de 50 produtores de leite da Cooperativa Languiru. Na oportunidade o Setor de Leite do Departamento Técnico da Languiru organizou palestra com o diretor de consultoria da CRI (Cooperative Resources International), Edward Silba, que abordou o tema “A vaca ideal e índices de saúde”. O evento ocorreu na Associação dos Funcionários da Languiru e outros representantes da CRI também acompanharam o mestre em reprodução e nutrição, entre eles o gerente de produto leite no Brasil, Bruno Scarpa Nilo, que auxiliou na tradução em alguns momentos. “A CRI é uma cooperativa de produtores de leite nos Estados Unidos, e no Brasil o foco é genética de bovinos”, apontou Nilo.

Evento reuniu grupo de 50 produtores na Associação dos Funcionários da Languiru (Fotos: Éderson Moisés Käfer)
Evento reuniu grupo de 50 produtores na Associação dos Funcionários da Languiru (Fotos: Éderson Moisés Käfer)

Os profissionais técnicos e veterinário do Setor de Leite da Languiru também prestigiaram o evento. O coordenador do setor, Fernando Staggemeier, iniciou a programação agradecendo a presença de todos e enalteceu o nível das palestras organizadas pela cooperativa. “Estamos procurando trazer profissionais de renome da cadeia do leite, seja por meio de iniciativas próprias ou de parceiros. A matéria-prima (leite) que vocês nos fornecem já é qualificada, no entanto, sempre estamos abertos a novos conhecimentos”, frisou.

Uma vaca boa e uma vaca ruim

Buscando a interação com o público, Silba começou a palestra apresentando uma foto de vaca que, em 1910, produziu 12 mil litros de leite com 3,33% de gordura, no Estado de Missouri, nos Estados Unidos. O animal atingiu o recorde mundial de produção naquele ano. “Antigamente nos ensinaram que para ser considerada boa ou ruim, uma vaca tem 44 pontos a serem analisados, como saúde do úbere, angulosidade do quadro e robustez”, acrescentou.

Ao citar as experiências realizadas em fazendas americanas, Silba entende que a pecuária leiteira está buscando algo diferente do que foi trabalhado no passado para aumentar a longevidade produtiva dos rebanhos. Há 40 anos ele presta consultoria a fazendeiros em boa parte dos Estados Unidos, no México e na China, atendendo rebanhos que variam de dois mil a 150 mil vacas ordenhadas por dia. “A genética tem o seu segredo no manejo do rebanho, que se bem nutrido e com acesso ao conforto, dará um grande retorno produtivo”, argumentou. Esse ano Silba começou a prestar essa consultoria a rebanhos e cooperativas aqui no Brasil.

Genética se comporta conforme o manejo

Ele apresentou gráficos comparativos do desempenho de filhas de touros de alto e de baixo potencial reprodutivo. Conforme Silba, algumas das principais reivindicações dos grandes fazendeiros da atualidade são por vacas/novilhas com maior potencial de prenhês e úberes mais saudáveis. “Filhas de touros com taxa de prenhês positiva tendem a gerar filhas com até 34% de taxa de prenhês média, enquanto que touros com taxa negativa de prenhês tendem a gerar filhas com índices muito inferiores, chegando a ter variações de mais de 8%. Touros com vida produtiva alta chegam a ter, no futuro, 200 filhas a mais produzindo leite em um rebanho de mil vacas”, explicou.

Representantes da Cooperative Resources International com o palestrante Edward Silba (com kit de produtos Languiru) e o coordenador do Setor de Leite do Departamento Técnico da Languiru, Fernando Staggemeier
Representantes da Cooperative Resources International com o palestrante Edward Silba (com kit de produtos Languiru) e o coordenador do Setor de Leite do Departamento Técnico da Languiru, Fernando Staggemeier

Segundo Silba, os fazendeiros estão buscando vacas menores e menos angulosas para diminuir a incidência de descarte e aumentar a produção de leite nas propriedades. Por isso, a importância de se valorizar as informações sobre o touro, de onde é extraído o material genético para futura reprodução. “O consumo médio na dieta de uma vaca é de 3,5% de matéria seca do seu peso, e esse custo da alimentação é diluído dependendo da produção que o animal possui. A genética e a produção se mostram conforme o manejo e a nutrição, e as correlações são várias. Por exemplo, vacas magras, de baixo escore corporal, têm baixa deposição de gordura interna nos cascos e isso pode levá-las a mancar, a claudicar”, concluiu.

Por fim, após a palestra, foi aberto espaço para que os produtores e a equipe técnica do Setor de Leite fizessem perguntas sobre manejo e projeções para o futuro da cadeia leiteira.

 

 

 

TEXTO – Éderson Moisés Käfer e Leandro Augusto Hamester

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outras notícias

Temporada de Prêmios Languiru 2021

Sorteados primeiros vales-compras e motocicleta

“Somos penta”

Prêmio Exportação RS reconhece trabalho da Languiru no segmento alimentos

Tecnologia no campo

Languiru oferece curso gratuito de inclusão digital aos seus associados

Aprendiz Cooperativo do Campo

Nova turma participa de atividades teóricas e práticas até janeiro de 2023

Líderes de Núcleo

Desempenho e investimentos pautam reunião online

Amplo e moderno

Apresentado novo Agrocenter Máquinas

Encontro Mulheres Cooperativistas

Languiru disponibiliza vagas gratuitas limitadas

São Lourenço do Sul

Languiru amplia área de atuação e inicia operações da 11ª loja Agrocenter

INFORME COMERCIAL

Medalhão de frango com bacon e embalagem do doce de leite são novidades da Languiru

Ao continuar a utilizar o nosso website você concorda com a nossa política de privacidade.