Notícias

Intercooperação – Nutrição animal serve de modelo para coirmã

14/09/2017

O cooperativismo incentiva o trabalho conjunto, uma vez que a intercooperação vai ao encontro dos princípios do sistema. Foi com esse intuito que, no dia 13 de setembro, a Cotripal realizou visita à Fábrica de Rações da Cooperativa Languiru, em Estrela. A coirmã de Panambi esteve representada pelo vice-presidente Dair Pfeifer, pelo diretor-administrativo Elmo Kläsener, pelo gerente industrial Roque Andreola, pelo analista de custos Eduardo Beilfuss e pela zootecnista Marjana Waechter. O objetivo da visita foi conhecer tecnologias e metodologias empregadas na produção, assim como o sistema de comercialização das Rações Languiru.

 

Troca de informações

 

A comitiva foi recebida pelo vice-presidente da Cooperativa Languiru, Renato Kreimeier, pelo gerente de negócios da Fábrica de Rações, Joel Girardello, e pelo supervisor-administrativo da Fábrica de Rações, Pedro Mortari. A programação iniciou com exibição do vídeo institucional da Languiru e seguiu com troca de informações e visita à linha de produção.

Comitiva de Panambi visou a Fábrica de Rações da Languiru, em Estrela (Foto: Éderson Moisés Käfer)

Kreimeier observou que, durante a reestruturação, em 2002, a cooperativa concluiu que deveria promover uma maior integração com o fomento. A partir disso, começaram a ocorrer encontros semanais que reúnem as equipes técnicas da avicultura, suinocultura e produção de leite. Acrescentou que os encontros também são acompanhados por profissionais ligados às unidades industriais e às lojas agropecuárias da Languiru.

Girardello comentou que a Fábrica de Rações trabalha muito o conceito de gestão participativa, salientando que as taxas de rotatividade de colaboradores são baixas. Acrescentou que as reuniões semanais com o Departamento Técnico alinham estratégias e procuram superar eventuais dificuldades a campo. “Quanto mais você maximizar a produtividade, mais equilibrado vai ser o custo de produção. Temos que agir da porteira para dentro”, argumentou. Girardello reiterou que a matéria-prima da 1,5 mil tonelada de ração que é produzida diariamente vem, principalmente, da Região Centro-Oeste. “Temos um setor responsável por coletar amostras de matérias-primas como milho e farelo de soja, uma vez que primamos pela qualidade”, afirmou. “Precisamos construir um país melhor e evoluir como cidadãos. Essa troca de experiências é muito importante para consolidar isso”, complementou. Já Mortari explicou de que forma é distribuída a Área Comercial das Rações Languiru.

Em seguida, os integrantes da comitiva trocaram informações com setores específicos e visualizaram o processo de produção, desde a chegada da matéria-prima até a coleta de amostras, análise laboratorial, formulação de rações, produção e expedição.

 

 

 

TEXTO – Éderson Moisés Käfer e Leandro Augusto Hamester

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outras notícias

Dia do Colono e do Motorista

No campo, a tecnologia. Na estrada, a fé

Gratidão ao cooperativismo

“Eu sei mais ou menos como é o céu, é tão bonito, tão leve”

Tecnologia

Aplicativo reúne e fornece informações sobre captação de leite na propriedade rural

Dia C

Languiru lança segunda edição de projeto de gastronomia direcionado a comunidades carentes

Gestão e Liderança Cooperativa

Languiru inicia nova edição de curso previsto no Estatuto e Sistema de Governança

Expansão

Cooperativa Languiru inicia coleta de leite na Região Sul do Estado

Segurança pública

Languiru auxilia nas reformas do Presídio Estadual de Lajeado

Curso de Sucessão Familiar

“Eu quero ficar aqui, seguir em frente, investir e aumentar a produtividade”

Agrocenter

Languiru investe em loja modelo para o segmento de máquinas e implementos agrícolas

Ao continuar a utilizar o nosso website você concorda com a nossa política de privacidade.