Notícias

Iniciativa da Languiru e parceiros prioriza sustentabilidade da propriedade familiar

24/03/2017

No mês de março ocorreram novas reuniões do grupo gestor e técnico que planeja projeto de inclusão social e produtiva, idealizado pela Cooperativa Languiru, com apoio e envolvimento da Emater, de Sindicatos de Trabalhadores Rurais, de Secretarias Municipais da Agricultura de Teutônia, Estrela e Westfália, do Centro de Apoio e Promoção da Agroecologia (CAPA) e da Sicredi Ouro Branco. O grupo iniciou os trabalhos considerando a sustentabilidade da pequena propriedade, especialmente dos pequenos produtores de leite com dificuldades de produzir volumes que compensem a captação da matéria-prima na área de atuação da Languiru. O projeto ainda está em período de estruturação, com a definição de etapas do programa e previsão de lançamento ao longo do primeiro semestre.

Grupo gestor e técnico tem se encontrado regularmente para alinhar detalhes do projeto, que pode ser lançado oficialmente ainda no primeiro semestre deste ano (Foto: Leandro Augusto Hamester)
Grupo gestor e técnico tem se encontrado regularmente para alinhar detalhes do projeto, que pode ser lançado oficialmente ainda no primeiro semestre deste ano (Foto: Leandro Augusto Hamester)

“É uma demanda que surgiu junto ao quadro de associados da Languiru, estimulando o incremento na produção leiteira e a oferta de outras alternativas produtivas para as propriedades rurais familiares, como o milho, por exemplo. Unindo esforços, aproveitando o potencial e as características produtivas regionais, estamos no caminho certo para a sustentabilidade e crescimento das pequenas propriedades. Paralelamente ao trabalho de assistência técnica e orientação dos parceiros envolvidos no projeto, o sucesso da iniciativa também depende da vontade dos produtores em participar das atividades”, explicou o presidente da Languiru, Dirceu Bayer, reafirmando a importância econômica e social da cadeia produtiva do leite.

O gerente regional da Emater/RS-Ascar, Marcelo Brandoli, enalteceu o empenho da Languiru, segundo ele, uma das poucas cooperativas que ainda recebem pequenos volumes de leite produzidos pelos associados. “O projeto é uma importante iniciativa para que produtores sem escala não saiam do mercado. A avaliação deverá ser individualizada, entendendo a realidade e necessidade de cada propriedade rural”, disse, acrescentando que o primeiro ano de trabalho será de experiências. Segundo Brandoli, o diagnóstico será possível a partir de visitas às propriedades rurais dos agricultores interessados em participar, para elaboração de plano de ação.

O secretário da Agricultura de Estrela, José Adão Braun, reforçou a necessidade de avaliação de cada propriedade. “Precisamos realizar um Raio-X dos municípios para definição do público-alvo do projeto. Inclusive, é uma maneira de atrair novos associados para a Cooperativa Languiru. Hoje, percebo que muitos produtores estão ‘sobrevivendo’, sem o melhor aproveitamento das suas reais potencialidades”, disse.

 

Leite

 

A base do programa é a cadeia leiteira, com a possibilidade de surgimento de outras opções de atividades. Inicialmente, deverá ocorrer a coleta de indicadores técnicos, econômicos, sociais e ambientais das propriedades participantes, para, a partir disso, sugerir oportunidades de melhoria.

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Teutônia/Westfália, Liane Brackmann, elogiou a iniciativa. “Me sinto realizada e feliz. É a primeira vez que vejo a união de esforços para um projeto de inclusão, de modelo diversificado. Vejo tudo isso com muito bons olhos. Mais uma vez percebemos a importância do cooperativismo para a viabilidade da pequena propriedade rural familiar. É uma iniciativa que intensifica a aproximação da assistência técnica do produtor”, frisou, acrescentando que todas as propriedades possuem potencial para “algo mais”, com valorização da produção local, união o valorização do trabalho.

Grupo gestor e técnico tem se encontrado regularmente para alinhar detalhes do projeto, que pode ser lançado oficialmente ainda no primeiro semestre deste ano (Foto: Roseméri Krämer)
Grupo gestor e técnico tem se encontrado regularmente para alinhar detalhes do projeto, que pode ser lançado oficialmente ainda no primeiro semestre deste ano (Foto: Roseméri Krämer)

Nesse contexto, Bayer e Brandoli voltaram a afirmar: o sucesso do projeto, a partir da sua implantação, depende da real intenção dos produtores em participar efetivamente das atividades propostas. “Estamos lançando o embrião, que tem tudo para se desenvolver e contribuir significativamente para a inclusão social e produtiva”, concluiu o gerente regional da Emater/RS-Ascar.

O pastor Sinodal, Gilciney Tetzner, que participou de uma das reuniões de planejamento do grupo gestor do projeto, parabenizou a equipe pela iniciativa. “É uma ação louvável para atender às necessidades das pequenas propriedades rurais. Certamente o Centro de Apoio e Promoção da Agroecologia, estruturado junto às atividades do Sínodo Vale do Taquari, poderá dar a sua contribuição ao longo desse processo”, afirmou.

 

Planejamento

 

A partir das decisões preliminares a respeito do projeto, a equipe que estuda a construção do programa dividiu o grupo em comitê gestor e comitê técnico para o alinhamento das próximas ações. Estão sendo delineadas as etapas e critérios de seleção dos participantes, pontos observados para diagnósticos das propriedades, com visitas técnicas para coleta de indicadores, e elaboração de planejamento junto às propriedades participantes, com orientação aos agricultores, finalizando com reuniões de apresentação dos dados coletados em cada município, em eventos com lideranças, profissionais técnicos e demais envolvidos. Paralelamente a isso, o grupo ainda estuda a possibilidade de organização de encontro com a participação dos produtores envolvidos nas atividades do projeto piloto.

“Seguimos com o ciclo de reuniões periódicas para definir os detalhes do programa, mas o que já se tem como definitivo é o consenso de que existe uma grande oportunidade em nossas mãos, contribuindo para a sustentabilidade das atividades do pequeno agricultor familiar”, concluiu Bayer.

“A vida ensina que todos temos limitações, mas, por vezes, precisamos de algum incentivo para seguir em frente, apesar das dificuldades. E nisso, procuramos fazer a nossa parte para evitar de perdermos bons produtores pelo caminho”, finalizou Liane.

 

 

 

TEXTO – Leandro Augusto Hamester

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outras notícias

Dia do Colono e do Motorista

No campo, a tecnologia. Na estrada, a fé

Gratidão ao cooperativismo

“Eu sei mais ou menos como é o céu, é tão bonito, tão leve”

Tecnologia

Aplicativo reúne e fornece informações sobre captação de leite na propriedade rural

Dia C

Languiru lança segunda edição de projeto de gastronomia direcionado a comunidades carentes

Gestão e Liderança Cooperativa

Languiru inicia nova edição de curso previsto no Estatuto e Sistema de Governança

Expansão

Cooperativa Languiru inicia coleta de leite na Região Sul do Estado

Segurança pública

Languiru auxilia nas reformas do Presídio Estadual de Lajeado

Curso de Sucessão Familiar

“Eu quero ficar aqui, seguir em frente, investir e aumentar a produtividade”

Agrocenter

Languiru investe em loja modelo para o segmento de máquinas e implementos agrícolas

Ao continuar a utilizar o nosso website você concorda com a nossa política de privacidade.