Notícias

Gado leiteiro – Dieta equilibrada é sinônimo de aumento de produção e animais mais saudáveis

01/08/2020

A nobre missão de produzir leite exige planejamento, resiliência e comprometimento. O rebanho necessita ser atendido em diferentes exigências para produzir em quantidade e qualidade. Instalações confortáveis e o manejo apropriado favorecem o bem-estar dos animais. No entanto, outro aspecto fundamental trata da composição da nutrição. Uma dieta equilibrada fortalece o sistema imunológico, estimula o sistema reprodutivo e potencializa a produção de leite.

O Setor de Leite do Departamento Técnico gerencia ferramentas específicas para corrigir ou melhorar a nutrição dos rebanhos nas propriedades dos associados da Cooperativa Languiru. Os produtores têm acesso a serviços como análise bromatológica/solo e planejamento agronômico de cultivo de forrageiras. Além disso, é disponibilizado serviço de elaboração de dietas por meio de programa de computador (software) usado pelos técnicos do setor.

 

Mesmo número de animais, produção dobrada

Marciane e Guarnieri impressionaram até os vizinhos com os resultados do ajuste na dieta do rebanho (Fotos: Éderson Moisés Käfer)

               

Uma grande reviravolta aconteceu na propriedade rural de Cedemir Pedro Guarnieri (41) e Marciane Andréia Wunder (34), casal que reside em Linha Baixo Canudos, município de Canudos do Vale. No segundo semestre de 2019, decidiram transformar a atividade leiteira na principal fonte de renda da família. Em pouco menos de um ano, dobraram a produção seguindo planejamento elaborado pelo Setor de Leite.

A virada começou em setembro daquele ano, quando a Cooperativa Languiru passou a receber os 470 litros de leite produzidos a cada dois dias na propriedade. A dieta do rebanho era composta basicamente de grama nativa (potreiro), modelo estabelecido durante anos pelos pais de Marciane.

Guarnieri estava disposto a aumentar a produção e solicitou amparo do Setor de Leite. O técnico da região identificou desequilíbrio na nutrição do gado leiteiro, o que limitava o potencial do rebanho. Com a contribuição do engenheiro agrônomo, foi preparada dieta que buscou atender as carências nutricionais. “Passamos a usar tamponante e sal mineral. Também começamos a pesar a quantidade de silagem e ração de cada vaca”, menciona.

O associado observa que também foram cultivados piquetes (aveia e azevém) e oferecido pré-secado aos animais. Os sinais de evolução foram aparecendo aos poucos, como a melhora do ciclo reprodutivo e a diminuição da Contagem de Células Somáticas (CCS). Por outro lado, a mudança mais significativa ocorreu com a produção, que saltou para 900 litros de leite a cada dois dias. “Até os vizinhos se impressionaram com o crescimento que tivemos. Isso tudo aconteceu porque fomos abraçados pela assistência técnica”, entende.

Marciane destaca que o técnico lança informações num sistema de computador que indica a melhor dieta para o rebanho. Complementa que até é possível reduzir custos com uma dieta mais acertada. “Esse passo foi fundamental para progredirmos.”

 

Redução de problemas reprodutivos e disfunções metabólicas

Petry mostra parte da lavoura de trigo silageiro que contribui para equilibrar a dieta do gado leiteiro

 

Há três anos, Cléber Petry (36) estava insatisfeito com o tratamento da empresa para a qual destinava a produção leiteira. Para completar, a falta de assistência técnica “cobrava seu preço” na propriedade rural localizada em Linha Alta, município de Vera Cruz.

Em 2018 ele buscou informações sobre como se associar à Cooperativa Languiru, uma vez que já era cliente das Rações Languiru. Iniciou entregando 550 litros de leite a cada dois dias para a Indústria de Laticínios.

Nesse período, o rebanho começou a apresentar problemas reprodutivos e disfunções metabólicas. Petry tentou corrigir isso seguindo uma dieta proposta por um profissional terceirizado que atendia a propriedade rural. Mesmo assim, o conjunto de ações não surtia efeito.

A mudança de cenário ocorreu a partir da interferência do técnico do Setor de Leite. O profissional avaliou a composição da dieta do rebanho e ajustou os ingredientes por meio do software. “Conseguimos aumentar o nível de gordura e equalizar os índices de proteína”, enaltece Petry.

No período de estiagem, foi elaborada uma dieta à base de silagem, ração e feno, entre outros complementos. As lavouras de milho “cedo” e “safrinha” não haviam rendido o esperado. O ponto crucial foi semear uma área de quatro hectares de trigo silageiro. Hoje, a cada dois dias, o transportador carrega 1,2 mil litros de leite na propriedade. “As vacas melhoraram o desempenho reprodutivo”, acrescenta o associado.

O produtor entende que os associados devem aproveitar os serviços oferecidos pela cooperativa. Nesse sentido, ressalta a qualificação do Setor de Leite. “O gado leiteiro precisa de uma dieta que corresponda às suas necessidades. Não podemos mais alimentar o rebanho no achismo”, conclui Petry.

 

 

 

 

TEXTO – Éderson Moisés Käfer e Leandro Augusto Hamester

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outras notícias

Fórum Tecnológico do Leite

Gerenciamento da propriedade fecha ciclo de palestras online

Fórum Tecnológico do Leite

Segunda noite do evento debate sistemas produtivos

66 anos

Cooperativa promove campanha exclusiva para associados

Fórum Tecnológico do Leite

Gestão reprodutiva do rebanho pauta primeira noite do evento

Comitê Mulheres Cooperadas

Saúde da mulher será tema de palestra no dia 27 de outubro

Temporada de Prêmios Languiru

Ganhadores do primeiro sorteio recebem premiação

Cadeia leiteira

Fórum Tecnológico do Leite traz ciclo de palestras online

Temporada de Prêmios Languiru 2021

Sorteados primeiros vales-compras e motocicleta

“Somos penta”

Prêmio Exportação RS reconhece trabalho da Languiru no segmento alimentos

Ao continuar a utilizar o nosso website você concorda com a nossa política de privacidade.