Notícias

Diversidade produtiva

Languiru investe na bovinocultura de corte

05/11/2021

Leandro Augusto Hamester

Frigorífico de Bovinos, em Teutônia, inicia com abate de até 100 animais por semana. Num primeiro momento, há a geração de 35 empregos diretos

“Agregar valor aos produtos oriundos de propriedades rurais de seus associados, estimulando o empreendedorismo, a inovação, a melhoria contínua e o respeito à tradição da Cooperativa, oferecendo alimentos e serviços de qualidade à sociedade” faz parte da filosofia da Languiru. Com essa missão, a Cooperativa chega aos seus 66 anos de história, celebrados no dia 13 de novembro, anunciando oficialmente o seu ingresso no mercado da bovinocultura de corte.

A atividade já integrou os negócios da Languiru, em meados dos anos 80, com abatedouro instalado em Canoas. O resgate desse segmento abre mais uma possibilidade de produção aos associados da Cooperativa, além de atender, inicialmente, a demanda da rede de Supermercados Languiru e, num segundo passo, integrar o mix de produtos com a marca Languiru comercializados em todo Estado.

Planta industrial possui cerca de 3.500m² (Foto: Cassiano Sartor Decker)

“O investimento na bovinocultura de corte está baseado na expansão social e na diversidade econômica de atividades da Languiru, buscando estratégias capazes de atender às demandas e oportunidades de mercado. Além do retorno econômico, o negócio também tem relevância social, como alternativa produtiva para nossos associados”, destaca o presidente Dirceu Bayer.

Diversidade produtiva

Um dos segredos do sucesso da Languiru é a diversidade de negócios, o que oportuniza diferentes possibilidades para o quadro social. No segmento das carnes, a bovinocultura vem se somar à avicultura e à suinocultura, além da cadeia leiteira, “carros-chefes” no faturamento da Cooperativa, ao lado dos segmentos da nutrição animal, supermercados, lojas Agrocenter, postos de combustível e farmácias.

“O Frigorífico de Bovinos é um antigo desejo da Languiru e amplia o ciclo produtivo nas carnes. Estamos viabilizando e resgatando esse negócio na Cooperativa”, revela Bayer.

Inicialmente, a Languiru analisava a possibilidade de edificação do abatedouro, quando surgiu a oportunidade de arrendamento de uma unidade que estava em construção no município de Teutônia.

Unidade possui capacidade para o abate de 28 animais/hora para produção de carcaça (Fotos: Leandro Augusto Hamester)

Empregos e volume de produção

Nessa etapa, o Frigorífico de Bovinos deve gerar cerca de 35 empregos diretos, podendo chegar a 65 empregados. A planta industrial, com cerca de 3.500m², possui capacidade para o abate de 28 animais/hora para produção de carcaça.

Em novembro inicia transição para produção própria da Cooperativa, que arrendou a planta – até então as instalações foram ocupadas pelo proprietário, com a Languiru utilizando esse período para aprendizado e qualificação da mão de obra. A demanda de produção, num primeiro momento, estima o abate de 80 a 100 bovinos por semana, atendendo os Supermercados Languiru.

“Gradativamente estimamos ampliar a produção, passando a atender a necessidade da nossa área comercial. Dentro de um ano, a expectativa é de que possamos oferecer, além da carcaça, cortes específicos, com agregação de valor à matéria-prima e ampliação do mix de produtos Languiru. Inclusive, trabalhamos com a ideia de utilização de um selo de qualidade para as carnes Languiru, aproveitando o excelente conceito dos nossos produtos junto ao mercado consumidor”, detalha o presidente.

Frigorífico de Bovinos localizado em Teutônia

Matéria-prima

Os bovinos serão fornecidos pelos associados da Languiru e outros produtores da região. “Há disponibilidade de animais de qualidade nas propriedades do quadro social da Languiru e parceiros estratégicos”, avalia Bayer.

O mercado da carne bovina vive momento favorável, com muita demanda para uma produção insuficiente. “O mercado regula essa procura. Por outro lado, a avicultura apresenta sinais de recuperação e a suinocultura, depois de momento favorável, passa por período de dificuldade. Na bovinocultura de corte, apesar do custo de produção elevado, quem possui eficiência no processo, apresenta bons resultados financeiros”, conclui o presidente, acrescentando que a planta também poderá abater, num segundo momento, após obtenção de autorização do órgão competente, vacas leiteiras e matrizes suínas em fase final de vida produtiva, dando origem à matéria-prima para produtos da linha de industrializados do Frigorífico de Suínos, instalado em Poço das Antas, e outras unidades. A Languiru irá trabalhar com bovinos de raças europeias para produção de carne e já avalia a possibilidade de ampliação da capacidade de abate e estocagem do frigorífico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outras notícias

500 Maiores do Sul

Languiru é a terceira maior cooperativa de produção do Rio Grande do Sul

66 anos

Languiru apresenta novos mascotes

66 anos

Em reunião, Líderes de Núcleo recebem certificação

66 anos

Transmissão online fecha programação festiva da Languiru

66 anos

Languiru aposta em projetos sociais de inclusão e desenvolvimento

66 anos

Semana de Negócios das lojas Agrocenter Languiru integra programação de aniversário

66 anos

Roteiro de inaugurações marca véspera do aniversário da Languiru

66 anos

“Viemos para ficar no Sul do Estado”

66 anos

Importância econômica e social da Languiru pauta discursos de vereadores na tribuna

Ao continuar a utilizar o nosso website você concorda com a nossa política de privacidade.