Notícias

Fórum Agro 4.0 – Genética e “efeito China” para a suinocultura abordados em palestras técnicas

06/12/2019

A evolução genética e a biosseguridade pautaram ciclo de palestras voltadas à suinocultura durante o II Fórum Internacional de Agronegócio 4.0, realizado em Teutônia.

Kerber (ao microfone) defende ações preventivas diante dos problemas mundiais com a PSA: “Se a doença chegar aqui, o efeito será devastador” (Foto: Leandro Augusto Hamester)

 

Genética suína

 

Os reflexos da evolução na genética suína foram abordados pelo médico veterinário Werner Meincke e pela zootecnista Natália Irano, representantes da Agroceres PIC. Historicamente, um grande passo foi dado a partir da entrada dos óleos vegetais no país, fazendo com que o suíno “tipo banha” perdesse seu valor. “A suinocultura se obrigou a mudar de horizonte, foi um divisor de águas. Hoje pode-se dizer que estamos nivelados à evolução genética do gado leiteiro”, comparou, valorizando a ciência de estudo do DNA.

“A partir desse conhecimento é possível gerar dados com muito mais precisão, identificar os genes que podem ser responsáveis por grandes avanços”, acrescentou a zootecnista, que detalhou processo de melhoramento genético na suinocultura.

 

“Blindagem”

 

“Biosseguridade – como blindar o efeito China na suinocultura brasileira” foi tema da palestra do diretor-executivo do Sindicato das indústrias de Produtos Suínos (SIPS/RS), Rogério Kerber, presidente do Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal (Fundesa).

A Peste Suína Africana (PSA) afeta o mercado mundial da proteína animal, mas traz consequências favoráveis ao Brasil, grande exportador. “A procura por carne está muito acima da disponibilidade mundial. Isso tem o efeito preço bastante significativo. Em contrapartida, o mercado interno também acaba acompanhando esses preços, e o consumidor brasileiro terá que desembolsar valores maiores para ter acesso à proteína”, exemplificou.

Kerber defendeu ações preventivas. “Se a doença chegar aqui, o efeito será devastador. Precisamos trabalhar e conscientizar a todos, autoridades sanitárias, setores produtivos, adotar medidas cautelares, principalmente no que diz respeito ao acesso de pessoas e veículos aos estabelecimentos produtores. Não existe risco zero”, ponderou, acrescentando que isso não está fundamentado em investimentos na propriedade, mas sim em mudança de procedimento das pessoas, “que devem ter a percepção de que o primeiro e grande perdedor é ele próprio”.

Para o palestrante, ainda é cedo para dizer quanto tempo dura esse cenário. “O surto não está controlado e os focos continuam a acontecer, se espalhando para outros países. Todo mercado está preocupado.”

 

 

 

TEXTO – Leandro Augusto Hamester

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outras notícias

Grãos e hortifrúti

Languiru sela parceria com a Philip Morris

Dia do Colono e do Motorista

No campo, a tecnologia. Na estrada, a fé

Gratidão ao cooperativismo

“Eu sei mais ou menos como é o céu, é tão bonito, tão leve”

Tecnologia

Aplicativo reúne e fornece informações sobre captação de leite na propriedade rural

Dia C

Languiru lança segunda edição de projeto de gastronomia direcionado a comunidades carentes

Gestão e Liderança Cooperativa

Languiru inicia nova edição de curso previsto no Estatuto e Sistema de Governança

Expansão

Cooperativa Languiru inicia coleta de leite na Região Sul do Estado

Segurança pública

Languiru auxilia nas reformas do Presídio Estadual de Lajeado

Curso de Sucessão Familiar

“Eu quero ficar aqui, seguir em frente, investir e aumentar a produtividade”

Ao continuar a utilizar o nosso website você concorda com a nossa política de privacidade.