Notícias

Estrela Multifeira – Cinco dias de negócios, debates e valorização do potencial regional

13/09/2019

A 6ª Estrela Multifeira, realizada de 04 a 07 de setembro, reuniu cerca de 200 expositores que valorizaram a diversidade econômica e produtiva do Vale do Taquari. O Porto de Estrela atraiu público de 34 mil pessoas e a Cooperativa Languiru também marcou presença com a exposição de máquinas e implementos agrícolas, apresentação do portfólio das Rações Languiru e degustação de produtos.

No pavilhão destinado à pecuária, a cooperativa também esteve representada. Os associados Paulo Birck, Danilo Wülfing, Pedro Lenhard e João Collet exibiram novilhas, valorizando o potencial genético das propriedades rurais que entregam produção leiteira à Languiru.

Exposição ao ar livre contou com a participação do segmento de máquinas do Agrocenter Languiru (Fotos: Éderson Moisés Käfer)

 

“Enquanto houver fome, não haverá paz”

 

O ex-ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Roberto Rodrigues, abordou o tema “Perspectivas do agronegócio brasileiro” no Dia do Empreendedor Rural, realizado no dia 05. Durante a palestra, lamentou a falta do surgimento de novas lideranças no campo, consequência da transformação do mundo rural em urbano. Também destacou que o Brasil necessita incrementar a produção de alimentos em 40% nos próximos dez anos, conforme estudos do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). “Enquanto houver fome, não haverá paz”, entende.

Rodrigues ressaltou que o agronegócio brasileiro representa 21% do PIB do país e 42% das exportações, gerando 20% dos empregos. Para ele, é necessário organizar estratégias de renda, comércio e logística para modificar a imagem “errônea” sobre desmatamento e consumo de veneno. “Se não formos sustentáveis econômica, social e ambientalmente, não vamos vender produção lá fora e vamos perder mercado”, alertou.

Associados da cooperativa levaram novilhas para a feira agropecuária

Classificou o desenvolvimento do agronegócio brasileiro como “espetacular”, muito em função da qualificação dos empreendedores mais jovens, e prevê que o cooperativismo será valorizado como importante ferramenta para agregar renda e ganhar escala. “A sociedade tem que entender que o herói brasileiro é o agricultor”, declarou.

 

Maior profissionalismo, menor preocupação com normativas

 

No painel “Benefícios da Nova Normativa para a Cadeia Leiteira”, a auditora fiscal agropecuária do MAPA, Milena Cristine Cé, comentou as regulamentações das Instruções Normativas (INs) 76 e 77; o gerente técnico comercial da Launer Química, Alexandre Oliveira, explicou as características e diferenças entre a Contagem de Células Somáticas (CCS) e a Contagem Bacteriana Total (CBT); o engenheiro mecânico da Metanox, Júlio Silveira, elencou as dificuldades encontradas no transporte de leite e compartilhou informações sobre novas tecnologias nesta área; e a consultora técnica da Machado Agropecuária, Maristela Bombana, enfatizou aspectos relacionados à manutenção preventiva dos equipamentos de ordenha, frisando que todos os esforços feitos no manejo, na nutrição, no melhoramento genético e na sanidade refletem na ordenha.

O químico industrial e especialista em engenharia de produção do Unianálises, Anderson Stieven, ainda ressaltou a evolução alcançada na qualidade do leite do Vale do Taquari. Entre os meses de junho e agosto a melhoria global foi de 35% a menos de contagem bacteriana, sendo que a meta é reduzir em 65% até o mês de outubro. “Os planos de ação vão propiciar ferramentas para trabalhar a qualidade nas propriedades rurais”, observou.

 

Case de associado

 

O destaque do painel ficou por conta da apresentação do case da Granja Lenhardt, localizada em Novo Paraíso, município de Estrela. A propriedade rural envasa leite em sachet com marca própria e entrega parte do volume à Cooperativa Languiru. O produtor Roberto Oliveira, marido da associada Eliane de Oliveira, falou sobre o histórico da propriedade, uma das primeiras da região a se enquadrar no Leite B, nos anos 80, e destacou que foi uma das primeiras a receber a certificação de Boas Práticas de Fazenda (BPF) da Languiru. “Sempre buscamos ser pioneiros ao longo dos anos”, reiterou.

Oliveira destacou que o profissionalismo deve imperar no campo

Oliveira elencou os processos implementados na propriedade para obter matéria-prima de alta qualidade: higiene na ordenha, resfriamento do leite em menos de duas horas e conservação do leite abaixo de 4° C. “Nós produtores devemos nos conscientizar que produzimos alimento”, defendeu.

Ele entende que as normativas contribuem para desenvolver a produção no campo e melhorar o ambiente da indústria. “Quanto mais profissional a gente for, menos vamos nos preocupar com a fiscalização”, afirmou.

 

 

 

 

TEXTO – Éderson Moisés Käfer e Leandro Augusto Hamester

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outras notícias

Fórum Tecnológico do Leite

Gerenciamento da propriedade fecha ciclo de palestras online

Fórum Tecnológico do Leite

Segunda noite do evento debate sistemas produtivos

66 anos

Cooperativa promove campanha exclusiva para associados

Fórum Tecnológico do Leite

Gestão reprodutiva do rebanho pauta primeira noite do evento

Comitê Mulheres Cooperadas

Saúde da mulher será tema de palestra no dia 27 de outubro

Temporada de Prêmios Languiru

Ganhadores do primeiro sorteio recebem premiação

Cadeia leiteira

Fórum Tecnológico do Leite traz ciclo de palestras online

Temporada de Prêmios Languiru 2021

Sorteados primeiros vales-compras e motocicleta

“Somos penta”

Prêmio Exportação RS reconhece trabalho da Languiru no segmento alimentos

Ao continuar a utilizar o nosso website você concorda com a nossa política de privacidade.