Notícias

Dicas para amenizar os efeitos do Verão no rebanho

06/01/2019

A condição térmica do verão interfere diretamente na redução dos volumes de leite, visto que é um período onde a elevação da temperatura costuma deixar o rebanho desconfortável. A alta temperatura também contribui para que os ruminantes não se sintam à vontade para consumir a dieta. Soma-se a isso a falta de um ambiente que consiga oferecer conforto para o rebanho.

Os sinais podem ser diminuição do consumo de alimentos, aumento da ingestão de água e perda na eficiência reprodutiva. Apesar da importância da nutrição na produção de leite, nesta época o fator que mais influencia para manter a regularidade da produção é o conforto dos animais. Para amenizar os impactos do estresse calórico, é recomendado adotar medidas que envolvem desde mudanças no manejo até investimentos na estrutura da propriedade.

Conforto é essencial para amenizar os efeitos do calor (Fotos: Fernando Staggemeier)

 

Resfriar o ambiente com ventiladores e aspersores

 

As vacas costumam deitar no barro para resfriar, ou seja, trocam calor por contato. No entanto, é importante lembrar que essa é a melhor forma de reduzir a temperatura da zona térmica do animal. A troca de calor deve ocorrer com o ambiente, pelo movimento do ar em torno dos animais.

Temperaturas acima de 25° C fazem com que a vaca interrompa o consumo de alimentos. Dessa forma, é recomendado criar condições para resfriar tanto o ambiente como o animal, por meio da instalação de ventiladores e aspersores adequadamente dimensionados. Independentemente do tamanho da estrutura, o uso desses equipamentos é essencial para baixar a temperatura do ambiente e dos animais.

 

Evitar ordenhar no período mais quente

 

Outra dica é evitar ordenhar o rebanho nos períodos mais quentes do dia. Os horários mais indicados são entre 5h e 7h e entre 18h e 20h. Na sala de espera, as vacas não devem ficar mais de uma hora aguardando a ordenha. A superlotação na sala de espera pode acentuar a condição de estresse calórico.

 

Água logo após a ordenha

 

Durante o estresse calórico, o consumo de água por animal pode dobrar. De 40% a 60% da necessidade diária de água é suprida imediatamente após a ordenha. Dessa forma, é essencial fornecer água logo após a ordenha por meio de reservatórios na sala de espera ou nos galpões de climatização.

 

Sombra natural ou artificial

 

O plantel necessita de sombra para se proteger do calor, tanto que a exposição direta dos animais ao sol é prejudicial. Assim como os seres humanos, os ruminantes ficam desconfortáveis com a superexposição. Desta forma, oferecer uma sombra adequada é outra forma eficiente de dissipar o calor. Nas pastagens, é aconselhado instalar um sombrite para os animais e/ou cultivar espaços com árvores de densa folhagem. Inclusive, alguns trabalhos comprovam o aumento de 1,7kg leite por vaca /dia.

 

 

Colaboração: Engenheiro Agrônomo Fernando Staggemeier – Departamento Técnico/Setor de Leite

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outras notícias

Fórum Tecnológico do Leite

Gestão reprodutiva do rebanho pauta primeira noite do evento

Comitê Mulheres Cooperadas

Saúde da mulher será tema de palestra no dia 27 de outubro

Temporada de Prêmios Languiru

Ganhadores do primeiro sorteio recebem premiação

Cadeia leiteira

Fórum Tecnológico do Leite traz ciclo de palestras online

Temporada de Prêmios Languiru 2021

Sorteados primeiros vales-compras e motocicleta

“Somos penta”

Prêmio Exportação RS reconhece trabalho da Languiru no segmento alimentos

Tecnologia no campo

Languiru oferece curso gratuito de inclusão digital aos seus associados

Aprendiz Cooperativo do Campo

Nova turma participa de atividades teóricas e práticas até janeiro de 2023

Líderes de Núcleo

Desempenho e investimentos pautam reunião online

Ao continuar a utilizar o nosso website você concorda com a nossa política de privacidade.