Notícias

Debates sobre a cadeia leiteira reúnem cerca de 600 pessoas em Teutônia

23/11/2018

Um dia repleto de aprendizado, de integração e expectativas atraiu cerca de 600 pessoas a Teutônia para o 12º Fórum Tecnológico do Leite e o 7º Fórum Itinerante do Leite. Com o tema “Tecnologias para aumento de renda na produção leiteira”, os eventos ocorreram concomitantemente, com atividades desenvolvidas no Ginásio da Sociedade Esportiva e Recreativa Gaúcho, no Colégio Teutônia e na Granja do Colégio Teutônia. A programação contou com painéis, oficinas e debates, abordando a aplicabilidade de diferentes tecnologias na cadeia produtiva do leite no viés econômico, especialmente a sustentabilidade do produtor rural.

Evento reuniu cerca de 600 pessoas durante programação que transcorreu durante todo o dia em Teutônia (Fotos: Leandro Augusto Hamester)

 

Inovação e tecnologia

 

Representando o Governo do Estado, o secretário de Agricultura, Pecuária e Irrigação, Odacir Klein, falou das dificuldades da cadeia produtiva do leite e da sua importância econômica e social. “Precisamos inovar, criar novas tecnologias, o que é muito mais do que modernizar, que as vezes é simplesmente copiar o que os outros criaram. Precisamos avançar e ser inovadores, olhar para frente”, disse, destacando a qualidade e a quantidade do alimento, além da renda para o produtor, com a integração da iniciativa pública e privada com produtores, instituições de ensino, cooperativas, indústrias e consumidores.

 

Competitividade

Autoridades e parceiros participaram do brinde de leite na abertura da programação

 

Para o presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat), Alexandre Guerra, é preciso construir competitividade, com maior produção por animal e por propriedade. “É fundamental buscar a profissionalização e a eficiência. Cerca de 19 mil produtores de leite deixaram a atividade pela inviabilidade produtiva ou ausência da sucessão familiar. Mesmo assim, o setor lácteo envolve 65 mil famílias no Rio Grande do Sul, o que representa cerca de 200 mil pessoas trabalhando diretamente com o leite no campo. Isso requer a união de todas as entidades e organizações preocupadas com o desenvolvimento do setor. Hoje, 95% dos municípios gaúchos possuem produção de leite, cujos recursos oriundos dessa atividade fazem a economia girar. É uma atividade que merece o respeito de todos”, afirmou, acrescentando que o setor leiteiro é cheio de oportunidades, apesar dos muitos desafios, mas com espaço para o crescimento e o aprendizado.

 

Assistência técnica

 

O fundamental trabalho de assistência técnica aos produtores rurais pautou o discurso do presidente da Emater/RS-Ascar, Iberê de Mesquita Orsi. Segundo ele, os profissionais técnicos são responsáveis por auxiliar na inserção de novas tecnologias no campo. “Acredita-se que 45% das empresas que devem atuar no ano de 2025 sequer estão em atividade hoje; em 2027, 45% das profissões que existem atualmente, não existirão mais; e em 2030, apenas 9% da população estará no campo. Isso aumenta a nossa responsabilidade de produção de alimentos, pois em 2030 estima-se que tenhamos 8,5 bilhões de bocas para alimentar. O fórum discute o futuro de uma atividade muito importante, que precisa ser profissional para ter capacidade de disputar mercado”, afirmou.

Palestrantes participaram de debate em painéis realizados no turno da manhã (Foto: Divulgação Colégio Teutônia)

 

Parcerias

 

O secretário da Agricultura de Teutônia, Gilson Hollmann, valorizou as parcerias e parabenizou o Colégio Teutônia, um dos organizadores do evento, pelo trabalho de qualificação da mão de obra na formação técnico-profissional. “Teutônia é a segunda economia do Vale do Taquari, com 21,88% da arrecadação do município oriunda do setor primário. Esse desempenho tem relação direta com o aperfeiçoamento e qualificação da mão de obra para o campo. Paralelamente a isso, as parcerias e o trabalho das cooperativas são essenciais. Essa atuação conjunta nos torna um município e uma região diferenciada com relação ao setor primário”, enumerou.

Tradicional concurso de leite em metro foi uma das atrações (Foto: Tiago Bald)

Nessa mesma linha foi o discurso do diretor do Colégio Teutônia, Jonas Rückert. “Temos um grande compromisso com a sociedade, formando pessoas e profissionais qualificados. A 12ª edição do Fórum Tecnológico do Leite é um exemplo de interação com a comunidade, de trabalho em parceria e discussão de temáticas para enriquecer a cadeia do leite, sabendo dos desafios diários dos produtores nas suas propriedades rurais”, concluiu.

 

Programação

 

A programação dos fóruns contou com painéis sobre impactos do conforto térmico para a qualidade do leite e sobre ferramentas para gestão com foco na lucratividade; além de oficinas temáticas, o tradicional concurso de leite em metro e degustação de produtos lácteos.

Na discussão, o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, comentou sobre as ações do Fundesa, especialmente no que se refere à certificação da produção como diferencial mercadológico. “É importante que o produtor faça o registro dos seus animais para ter acesso a indenizações, além da rastreabilidade e maior controle das ações do dia a dia da propriedade.”

O professor da Universidade de Passo Fundo (UPF), Carlos Bondan, destacou fatores que afetam a composição do leite: amostragem, raças/genética, nível de produção, período de lactação, número de partos e variações climáticas sazonais/estresse térmico. “Para atenuarmos os efeitos do estresse térmico devemos seguir algumas estratégias nutricionais, com o fornecimento de alimentos de alta qualidade, uso de suplementação mineral e água de qualidade em abundância. Além disso, há estratégias ambientais, que consideram espaços com sombra e resfriamento, altura adequada e posição das instalações”, sugeriu.

Profissionais de diferentes áreas ligadas à cadeia leiteira conduziram oficinas na parte da tarde

O consultor técnico da Nutrifarma/Agrifirm, Ricardo Xavier da Rocha, igualmente falou de alterações no leite, especialmente a influência das altas temperaturas. “Precisamos deixar de sofrer com a sazonalidade de condenação do leite no verão. Para isso é importante o monitoramento do rebanho e um plano de ação de curto, médio e longo prazo. Identificando os fatores, tomamos a decisão correta”, apontou.

A representante da Embrapa Clima Temperado, Ligia Pegoraro, acrescentou que o estresse térmico gera desconforto ao animal, o que influencia no seu nível de produtividade. “Temperatura, unidade relativa do ar e radiação solar são fatores que devem ser considerados na produção leiteira”, disse.

Representando o Conseleite, Marco Antonio Montoya procurou explicar os objetivos da organização, além da metodologia de cálculo de valores de remuneração da matéria-prima para produtores e indústrias. “O preço de referência trabalha com valor justo de remuneração, dando transparência ao mercado lácteo do Rio Grande do Sul e servindo de base para a livre negociação comercial entre os produtores rurais de leite e a indústria de laticínios”, definiu, elencando variáveis consideradas nesse processo: preços médios de comercialização de derivados, mix de comercialização dos derivados, rendimento industrial do leite na fabricação dos derivados e participação do custo da matéria-prima no custo total de produção dos derivados.

Com foco na utilização de ferramentas digitais na produção de leite, o extensionista rural da Emater/RS-Ascar, Leandro Ebert, apresentou case de projeto desenvolvido em propriedades rurais do município de Fagundes Varela. Destacou que o trabalho de assistência teve influência direta na busca de resultados. “Com esse trabalho, a produtividade média por hectare evoluiu de 14,5 mil litros para 15,5 mil litros, ampliando a produção média diária de 180 litros para 210 litros. Essas e outras estatísticas comprovam que é possível ganhar dinheiro com leite”, concluiu.

No período da tarde a programação ainda contou com quatro oficinas técnicas: “Eficiência energética e energia alternativa aplicada na propriedade”; “Panorama da Tuberculose e Brucelose no Vale do Taquari”; “Balanceamento de dietas para vacas leiteiras em lactação”; e “Reprodução e controle de doenças reprodutivas”. Os participantes foram divididos em grupos, com os debates realizados na SER Gaúcho, na Granja do Colégio Teutônia, no Auditório Central do Colégio Teutônia e no Mini Auditório do Colégio Teutônia.

O Fórum Tecnológico do Leite foi uma realização do Colégio Teutônia com a participação da Emater, da Fetag e das cooperativas Languiru, Certel e Sicredi. O 7ª Fórum Itinerante do Leite foi uma promoção do Sindilat, Secretaria Estadual da Agricultura, Ministério da Agricultura, Emater, Fundesa, Fetag, Farsul e Colégio Teutônia, com o patrocínio do BRDE e o apoio da Famurs e da Prefeitura de Teutônia.

 

 

 

TEXTO – Leandro Augusto Hamester

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outras notícias

Comitê Mulheres Cooperadas

Saúde da mulher será tema de palestra no dia 27 de outubro

Temporada de Prêmios Languiru

Ganhadores do primeiro sorteio recebem premiação

Cadeia leiteira

Fórum Tecnológico do Leite traz ciclo de palestras online

Temporada de Prêmios Languiru 2021

Sorteados primeiros vales-compras e motocicleta

“Somos penta”

Prêmio Exportação RS reconhece trabalho da Languiru no segmento alimentos

Tecnologia no campo

Languiru oferece curso gratuito de inclusão digital aos seus associados

Aprendiz Cooperativo do Campo

Nova turma participa de atividades teóricas e práticas até janeiro de 2023

Líderes de Núcleo

Desempenho e investimentos pautam reunião online

Amplo e moderno

Apresentado novo Agrocenter Máquinas

Ao continuar a utilizar o nosso website você concorda com a nossa política de privacidade.