Notícias

Cadeia produtiva – Importações de leite em pó pautam relação do Brasil com o Uruguai

18/10/2017

Os problemas ocasionados pelos volumes de importação de leite em pó, especialmente do Uruguai, o que afetou toda cadeia produtiva brasileira, principalmente no Rio Grande do Sul, segue sendo pauta de reuniões, mobilizações e discussões diplomáticas entre os dois países. Depois do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, anunciar no dia 10 de outubro que o Brasil suspendeu a importação de leite do país vizinho por tempo indeterminado, o presidente uruguaio Tabaré Vásquez anunciou, no fim de semana seguinte, contato com o presidente Michel Temer, o qual teria garantido que não haverá inconvenientes para o ingresso de leite no Brasil.

A suspenção das licenças automáticas de importação de leite do Uruguai anunciada por Maggi está baseada em suspeitas de que o produto não seja totalmente produzido naquele país, ou seja, os uruguaios exportariam mais leite do que poderiam produzir, triangulação com a compra de leite de terceiros para exportar. Uma missão técnica brasileira inicia diálogo com o Ministério da Pecuária do Uruguai, realizando vistorias para averiguar a situação e a rastreabilidade do produto, cruzando dados do volume produzido localmente com o consumo interno e as exportações ao Brasil e outros países.

Esta suspensão da compra de leite uruguaio deverá ser temporária, com Maggi defendendo o estabelecimento de cota de importação do produto pelo Brasil, o que pode auxiliar a regular o mercado.

“O cenário é muito negativo, interferindo na geração de emprego e renda no campo. Inclusive, muitas famílias têm deixado a atividade”, destaca o presidente da Cooperativa Languiru, Dirceu Bayer, que integrou comitivas em audiências com o Governo do Estado e o Governo Federal. Segundo levantamento da Emater/RS-Ascar, cerca de 1,8 mil famílias dos Vales do Taquari e Caí já abandonaram a produção de leite. “Precisamos, urgentemente, fortalecer o mercado interno de lácteos, ampliando as compras governamentais do leite nacional, além de mecanismos de controle para a importação de leite em pó dos países do Mercosul, especialmente do Uruguai, origem do maior volume atualmente”, acrescenta.

Para Bayer, é essencial a união de esforços para minimizar os problemas e prejuízos à cadeia produtiva do leite. “O Brasil precisa dessas relações comerciais internacionais, por isso não somos contra a importação, mas que os volumes de leite em pó que ingressam no país e, especialmente, no Rio Grande do Sul, não desestruturem toda a nossa cadeia produtiva”, conclui.

 

 

 

 

TEXTO – Leandro Augusto Hamester

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outras notícias

Fórum Tecnológico do Leite

Gerenciamento da propriedade fecha ciclo de palestras online

Fórum Tecnológico do Leite

Segunda noite do evento debate sistemas produtivos

66 anos

Cooperativa promove campanha exclusiva para associados

Fórum Tecnológico do Leite

Gestão reprodutiva do rebanho pauta primeira noite do evento

Comitê Mulheres Cooperadas

Saúde da mulher será tema de palestra no dia 27 de outubro

Temporada de Prêmios Languiru

Ganhadores do primeiro sorteio recebem premiação

Cadeia leiteira

Fórum Tecnológico do Leite traz ciclo de palestras online

Temporada de Prêmios Languiru 2021

Sorteados primeiros vales-compras e motocicleta

“Somos penta”

Prêmio Exportação RS reconhece trabalho da Languiru no segmento alimentos

Ao continuar a utilizar o nosso website você concorda com a nossa política de privacidade.