Notícias

Boas Práticas de Fazenda – Agregando renda e qualidade na produção de leite

21/05/2020

Manter uma rotina diária de higienização tanto dos equipamentos como da sala de ordenha; respeitar práticas de armazenamento do leite preconizadas pela legislação; implementar um conjunto de medidas que assegurem a qualidade da nutrição animal, precauções e registros sanitários, além de uma estrutura condizente para descanso do rebanho; e ser recompensado mensalmente por oferecer matéria-prima diferenciada à Indústria de Laticínios da Cooperativa Languiru. Essa é uma síntese da realidade de produtores de leite que conquistaram o selo do programa de Boas Práticas de Fazenda (BPF).

 

Crescimento do número de propriedades certificadas

 

O BPF foi instituído em abril de 2015 pelo Setor de Leite do Departamento Técnico. Entre 2019 e 2020, houve crescimento de 60% no número de propriedades certificadas. No mesmo período, aumentou em 65% o volume de leite captado dessas propriedades que estão localizadas em mais de 20 municípios do Vales do Taquari, Caí e Rio Pardo.

 

Pontos avaliados e ganho por litro de leite

 

O BPF verifica mais de 50 circunstâncias nas propriedades rurais, como o manejo dos ordenhadores, limpeza e manutenção dos equipamentos, estrutura do ambiente de ordenha, controle de drogas veterinárias e alimentação do rebanho. A visita de implantação é solicitada pelo associado junto ao técnico do Setor de Leite. Nessa visita são verificadas as instalações, procedimentos e equipamentos utilizados no manejo do rebanho e conservação do leite, sendo elencadas e descritas as adequações a serem realizadas para a implementação. Após a revisão das adequações realizadas, a granja leiteira é inspecionada e, caso necessário, é concedido prazo para efetivar as alterações mencionadas pela inspeção. Depois de aprovada, a propriedade recebe bonificação de R$ 0,03 por litro de leite. Essa certificação vale pelo período de um ano, até a próxima inspeção.

 

“O serviço fica o mesmo, porém, mais organizado”

 

Elemar Kohl (63), com propriedade localizada em Linha Imhoff, município de Imigrante, associou-se à Languiru em dezembro de 2012. Em dezembro de 2019 decidiu solicitar a auditoria do BPF. Escutou referências positivas de outros associados e os argumentos do técnico do Setor de Leite. Kohl, a esposa e o genro debateram a possibilidade de implementação. “Tínhamos uma estrutura básica e não havia motivo para não fazer”, recorda.

Kohl instalou tela na sala do resfriador, entre outros ajustes, para se adequar ao programa

Ajustes pontuais foram necessários para enquadrar a propriedade às normas observadas pela auditoria. A sala do resfriador ganhou tela de proteção para evitar a entrada de insetos e manter o ambiente ventilado. A porta do banheiro foi instalada no lado externo da sala de ordenha. Também foi montado um armário para separação e isolamento de medicamentos veterinários. “Tive facilidade de implementar o registro sanitário pois tenho guardado mais de três décadas de testes de Tuberculose”, orgulha-se. O associado entende que a auditoria contribuiu para reorganizar a propriedade e aumentar a renda mensal da família. “O serviço fica o mesmo, porém, mais organizado”, resume.

Desde janeiro de 2020, calcula que recebe uma média de R$ 600,00 por mês em bonificação. Enaltece que poderia ter coberto a conta mensal de energia elétrica ao analisar registros do ano passado. “Cada propriedade tem a sua realidade, entretanto, o programa se adapta muito bem a diferentes ambientes”, finaliza Kohl.

 

“O programa garante a segurança alimentar”

 

Alexsandro Faleiro (27) e Aline Palhares (24) administram propriedade rural em Linha Grão Pará, município de Venâncio Aires. Fornecem a produção de leite à Languiru desde 2015. Resolveram aderir ao BPF em junho de 2019. “Fomos incentivados pelo técnico e conferimos reportagens na revista da cooperativa”, conta Faleiro.

Faleiro e Aline entendem que o programa garante a segurança alimentar (Fotos: Éderson Moisés Käfer)

Entre os ajustes ocorreu a reorganização da sala de ordenha, a colocação de lixeiras no galpão dos animais e a instalação de armário para guardar medicamentos veterinários. A propriedade passou a receber a bonificação em julho de 2019. “Desde o início da certificação recebemos uma média de R$ 450,00 mensais adicionais. O valor cobre a energia elétrica usada na produção de leite”, exemplifica Aline.

Para Faleiro, a iniciativa organiza a propriedade e melhora a qualidade de vida dos produtores. “Vale a pena”, sintetiza. Aline enxerga vantagem relacionada ao consumidor: “o programa garante a segurança alimentar”.

 

Fale conosco

Associado, sua propriedade ainda não possui a certificação do Programa de Boas Práticas de Fazenda? Deseja aumentar a sua renda? Entre em contato com o técnico da sua região ou com o Setor de Leite do Departamento Técnico da Languiru, fone (51) 3762-5647.

 

 

 

TEXTO – Éderson Moisés Käfer e Leandro Augusto Hamester

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outras notícias

Fórum Tecnológico do Leite

Gestão reprodutiva do rebanho pauta primeira noite do evento

Comitê Mulheres Cooperadas

Saúde da mulher será tema de palestra no dia 27 de outubro

Temporada de Prêmios Languiru

Ganhadores do primeiro sorteio recebem premiação

Cadeia leiteira

Fórum Tecnológico do Leite traz ciclo de palestras online

Temporada de Prêmios Languiru 2021

Sorteados primeiros vales-compras e motocicleta

“Somos penta”

Prêmio Exportação RS reconhece trabalho da Languiru no segmento alimentos

Tecnologia no campo

Languiru oferece curso gratuito de inclusão digital aos seus associados

Aprendiz Cooperativo do Campo

Nova turma participa de atividades teóricas e práticas até janeiro de 2023

Líderes de Núcleo

Desempenho e investimentos pautam reunião online

Ao continuar a utilizar o nosso website você concorda com a nossa política de privacidade.