Notícias

“Agricultura familiar não é e não pode ser sinônimo de agricultura pobre”

07/08/2015

“A força da união faz a diferença, e nisso se insere o trabalho das cooperativas. O cooperativismo tem a capacidade de gerar escala produtiva aos associados, agregando valor e distribuindo valor. É um ramo da economia que tem tudo para dar certo, desde que busque incessantemente a profissionalização da sua gestão.” As palavras são do secretário adjunto de Estado da Agricultura e Pesca de Santa Catarina, Airton Spies, que palestrou sobre a importância dos contratos e parcerias para o sucesso dos empreendimentos dos produtores agropecuários.

Ele foi um dos convidados para o Circuito de Gestão e Inovação no Agronegócio, realizado pelo Instituto de Educação no Agronegócio (I-UMA), com apoio da Cooperativa Languiru. A quarta etapa do evento ocorreu no dia 04 de agosto e teve por local o Auditório Central do Colégio Teutônia. Teve por objetivo estimular a interatividade e promover o conhecimento, com debates sobre o momento e o futuro do agronegócio.

Evento foi realizado no Auditório Central do Colégio Teutônia (Fotos: Leandro Augusto Hamester)
Evento foi realizado no Auditório Central do Colégio Teutônia (Fotos: Leandro Augusto Hamester)

O evento vai percorrer dez cidades que representam polos produtivos do Rio Grande do Sul e a quarta etapa em Teutônia integra a programação que comemora os 60 anos da Cooperativa Languiru, celebrados no próximo dia 13 de novembro.

               

Importância do cooperativismo

 

Para o presidente do I-UMA, José Américo da Silva, as cooperativas são essenciais para o desenvolvimento do agronegócio e da economia como um todo. “Prestes a completar 60 anos, a Languiru é exemplo no cenário do cooperativismo brasileiro, com destacada contribuição para o agronegócio”, enalteceu. Nesse contexto, Silva ressaltou o trabalho do I-UMA para a educação institucionalizada no agronegócio. “Queremos promover a educação do campo no agronegócio e, com a união de esforços e parcerias, podemos encontrar as melhores estratégias na capacitação de jovens empreendedores rurais”, disse.

Presidente do I-UMA, José Américo da Silva
Presidente do I-UMA, José Américo da Silva

               

Troca de experiências

 

O presidente da Languiru, Dirceu Bayer, classificou o evento como uma grande oportunidade para reafirmar a importância do agronegócio. “Estamos reeditando o evento em Teutônia pela sua contribuição na formação e troca de experiências. É um trabalho especial voltado aos jovens e produtores rurais, que acreditam na atividade e permanecem no campo. Vem complementar trabalho realizado pela Languiru com o seu Programa de Sucessão Familiar, que forma a primeira turma de estudantes no final de 2015 e cujo projeto terá continuidade no próximo ano por entendermos que há a necessidade de formarmos novas lideranças para dirigir as entidades cooperativas e desenvolver o agronegócio e a agricultura familiar.”

Presidente da Languiru, Dirceu Bayer
Presidente da Languiru, Dirceu Bayer

               

Contratos e parcerias

 

O secretário adjunto de Estado da Agricultura e Pesca de Santa Catarina, Airton Spies, palestrou sobre a importância dos contratos e parcerias para o sucesso dos empreendimentos dos produtores agropecuários, para ele “um complexo e importante elo do agronegócio”.

Após breve relato histórico da atividade agropecuária, que anteriormente era baseada na mão de obra e na terra, com famílias numerosas como fator preponderante para o sucesso da atividade, Spies classificou o atual momento como “a era da inovação tecnológica”. Para ele, hoje, “a agricultura está baseada no capital, na tecnologia, no conhecimento, na informação. Os desafios são outros e não há espaço para amadores. A agropecuária é algo muito sério, não pode ser vista como um hobby”.

O secretário apresentou diferentes modelos de contratos, que segundo ele são a base do sucesso das principais cadeias produtivas do agronegócio no Sul do Brasil. “Os de maior progresso são do setor de avicultura, suinocultura, tabaco e leite. A formalização das parcerias permitiu a transformação de agricultura familiar artesanal em agricultura familiar empresarial. Em outras palavras, nossa propriedade rural deve ser vista como uma empresa, onde se gasta dinheiro para ganhar dinheiro. Esta é a função do empreendedor, que se assemelha ao que temos nas empresas formais que encontramos no meio urbano”, explicou.

Secretário adjunto de Estado da Agricultura e Pesca de Santa Catarina, Airton Spies
Secretário adjunto de Estado da Agricultura e Pesca de Santa Catarina, Airton Spies

“A agricultura familiar não é e não pode ser sinônimo de agricultura pobre, merece ser respeitada pela sua grande importância e pelo trabalho fundamental que exerce pelo desenvolvimento do agronegócio brasileiro. É nosso desafio transformar pequenas propriedades em grandes negócios, a agricultura familiar precisa se dedicar a atividades de alta densidade econômica”, chamou a atenção.

Entre outros assuntos, Spies ainda falou da terceirização de serviços no meio rural e da necessidade de estarmos atentos às necessidades dos jovens para que esses permaneçam no campo. “Um produtor de sucesso tem como características o empreendedorismo e o profissionalismo, a qualidade na tomada de decisões, considerando que administrar exige a tomada de decisões seguras. Quem não controla, não administra. Quem não planeja, também não gerencia.”

Por fim, o secretário reafirmou a importância da educação e da atenção à legislação que norteia a atividade rural. “Precisamos usar a ciência, a tecnologia e o conhecimento para produzir com responsabilidade, consciência e sustentabilidade. Produzir preservando e preservar produzindo. Nisso as relações contratuais e as parcerias são muito úteis para que se possa investir com mais coragem e saber para quem produzimos. Não tenham medo de formalizar as relações contratuais. País que não coloca conhecimento na cabeça das pessoas está fadado a não ser competitivo”, concluiu.

 

Conflito de gerações

 

O consultor em pesquisas e gestão empresarial da Macrovisão (Consultoria, Assessoria e Treinamento), Lucildo Ahlert, apresentou o trabalho que está sendo desenvolvido com associados e filhos de associados no Programa de Sucessão Familiar da Cooperativa Languiru.  Para ilustrar alguns resultados, o jovem Diego Dickel, que participa das atividades do Programa e possui propriedade em Linha Gamela, município de Teutônia, apresentou projeto que desenvolveu e pretende implementar na propriedade da família.

Ahlert apresentou a sistemática de trabalho do Programa de Sucessão Familiar da Languiru, classificando a iniciativa da cooperativa teutoniense como um plano de sucessão prático. “O principal ganho de tudo isso é que continuamos a ter uma família, ou seja, podemos evitar diversos conflitos de gerações e trabalhar a sucessão gradativamente. Além de preparar os filhos para o empreendedorismo, também preparamos os pais para esse processo, abrindo horizontes de negócio para a família. A família precisa sentar e conhecer os projetos dos jovens e o sucedido deve estar preparado para dar oportunidade aos filhos”, exemplificou o palestrante.

Diego Dickel (e) e Lucildo Ahlert
Diego Dickel (e) e Lucildo Ahlert

Para ele, o Programa da Languiru pensa a sucessão de diferentes maneiras, com a formalização desse processo, estimulando a gestão compartilhada entre pais e filhos, com sistemática de remuneração e administração do caixa, transferência patrimonial e negócios em parceria. “No passado, os pais se preocupavam em juntar dinheiro para poder comprar uma propriedade para os filhos no dia do casamento e, esses, a partir de então, passariam a ter sua independência. Hoje, a preocupação é com a manutenção do negócio, com os filhos tendo a oportunidade de estudar. Os filhos do passado sabiam que não ganhariam dinheiro até o casamento e, hoje, ficam no dilema: permanecer da área urbana ou rural, buscar a independência financeira em casa ou fora da propriedade”, citou Ahlert, acrescentando que, para muitas famílias, falar de sucessão é um tabu. “Em muitos casos a solução acaba ocorrendo por herança, com brigas entre os familiares. Hoje, com a longevidade, o processo sucessório ocorre de forma tardia, quando o ideal seria preparar os filhos para o empreendedorismo, transformando ideias em negócios”, disse.

Encerrando a programação da tarde de palestras, o jovem Diego Dickel apresentou projeto que desenvolveu e pretende implementar na propriedade da família. “É um projeto real de sucessão e fico extremamente feliz em ver os jovens aprendendo, lidando com conceitos econômicos e se preparando para serem realmente gestores no futuro. Esse trabalho busca criar uma luz na porteira, com a possiblidade de desenvolver negócios”, concluiu Ahlert.

 

 

 

TEXTO – Leandro Augusto Hamester

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outras notícias

Fórum Tecnológico do Leite

Gerenciamento da propriedade fecha ciclo de palestras online

Fórum Tecnológico do Leite

Segunda noite do evento debate sistemas produtivos

66 anos

Cooperativa promove campanha exclusiva para associados

Fórum Tecnológico do Leite

Gestão reprodutiva do rebanho pauta primeira noite do evento

Comitê Mulheres Cooperadas

Saúde da mulher será tema de palestra no dia 27 de outubro

Temporada de Prêmios Languiru

Ganhadores do primeiro sorteio recebem premiação

Cadeia leiteira

Fórum Tecnológico do Leite traz ciclo de palestras online

Temporada de Prêmios Languiru 2021

Sorteados primeiros vales-compras e motocicleta

“Somos penta”

Prêmio Exportação RS reconhece trabalho da Languiru no segmento alimentos

Ao continuar a utilizar o nosso website você concorda com a nossa política de privacidade.