Notícias

25 de julho, Dia do Colono e do Motorista – A perseverança daqueles que produzem e transportam a Languiru

25/07/2018

Os alicerces da sociedade estão fundamentados em setores que garantem o equilíbrio econômico e social. Como em uma corrente, são unidos por elos que precisam um do outro para manter a normalidade de serviços essenciais para a população. O agronegócio é um desses setores essenciais, uma vez que todos os alimentos que consumimos têm origem no campo. A relevância deste setor fica evidente se levarmos em conta os quase 30 milhões de brasileiros que vivem no campo, segundo levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE/2010). A pesquisa também aponta que em torno de quatro milhões de pessoas vivem no perímetro rural na Região Sul. Além disso, o agronegócio contribuiu com 23,5% do Produto Interno Bruto (PIB) do país em 2017, conforme dados da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

O transporte é outro setor que impacta diretamente em nosso cotidiano. Conforme levantamento da Confederação Nacional do Transporte (CNT/2016), o número de empresas de transporte rodoviário de carga chega a 111 mil, além de 553 mil caminhoneiros autônomos.

Pois no dia 25 de julho celebramos uma data que homenageia estes dois personagens essenciais para a sustentabilidade do Brasil: é o Dia do Colono e do Motorista. A Cooperativa Languiru comemora a data com muita satisfação, considerando que vários capítulos da sua história foram escritos com o suor de quem não tem hora para criar, plantar e dirigir.

Hoje, a cooperativa possui aproximadamente 2,2 mil produtores rurais cadastrados em seu quadro social. São propriedades com produção de leite, de aves e de suínos, com o plantio de milho e hortifrutigranjeiros, situadas em 67 municípios dos Vales do Taquari, Caí, Rio Pardo e na Serra. Já a logística da cooperativa chega a movimentar, por dia, mais de cem veículos de transporte de carga pesada. Caminhões e carretas são responsáveis por levar animais, rações e produtos de gênero alimentício.

 

Um relacionamento baseado na igualdade

 

Filhos de produtores rurais que descobriram na infância o sustento que a terra pode oferecer. Esse é o casal Valdecir Antônio Flach (43) e Vanessa Elisa Ludwig Flach (25), que administram uma creche de suínos e produzem hortifrutigranjeiros em Poço das Antas. Ambos tratam a propriedade rural como uma empresa, tanto que as tarefas são divididas na propriedade localizada em Linha Boa Vista.

Valdecir e Vanessa mostram que homens e mulheres podem exercer as mesmas tarefas na propriedade rural (Fotos: Éderson Moisés Käfer)

Tudo começa depois do tradicional chimarrão pela manhã. Vanessa tem a missão de cuidar dos leitões. Realiza o pedido de ração e segue orientações técnicas repassadas pelos profissionais do Setor de Suínos do Departamento Técnico da Languiru. “Eu terminei o Ensino Médio e decidi ficar na propriedade rural. Sempre gostei de ficar livre”, admite. Depois de fazer o almoço, segue para as estufas, onde ajuda no cultivo das hortaliças. Como se isso não bastasse, a jovem produtora rural ainda dirige trator, com o qual executa trabalhos como levar esterco de galinha para as estufas ou transportar lenha usada no fogão da creche. “Gosto de alimentar os leitões e capinar nas estufas”, sintetiza.

Já nas estufas onde crescem hortaliças como tomate, brócolis, vagem e pimentão, a responsabilidade é de Valdecir. A produção de verduras, frutas e legumes é fornecida para a rede de Supermercados Languiru. A sintonia fica evidente até na forma de pensar do casal.

Valdecir entende que homens e mulheres devem ser tratados sem diferenças, ou seja, observa que elas já assumiram muitas funções que eram destinadas a eles. “Assim como a Vanessa, conheço outras mulheres que são responsáveis pelo manejo dos lotes de suínos”, ressalta. Vanessa reforça que a mulher é mais calma e detalhista quando executa uma tarefa. “Já não existe mais tanto preconceito, pois a sociedade percebeu que a participação da mulher é fundamental”, frisa.

Valdecir destaca o papel da cooperativa para o desenvolvimento da propriedade e revela que já foi integrado de uma empresa privada. O associado prefere não voltar no tempo, uma vez que deseja produzir por muitos anos para a Languiru. “Dependemos 100% da cooperativa, tanto que nesse período da greve dos caminhoneiros ficamos receosos com o futuro. Ainda bem que a Languiru possui uma estrutura formidável e deu todo o apoio”, elogia.

 

Uma vida dedicada à produção de leite

 

Raimundo Altevogt (80) tem muitas histórias para contar sobre a evolução do agronegócio nas últimas sete décadas. Por afeto aos animais e vontade de trabalhar, a produção leiteira continua sendo a sua principal fonte de renda na propriedade rural localizada em Linha Harmonia, município de Teutônia.

Essa história iniciou aos sete anos, quando começou a depositar pasto no cocho e a ordenhar o rebanho. Na infância, ainda dava a sua parcela de contribuição nos plantios de milho e de soja. “Eram outros tempos e tinha que trabalhar com os meus pais. Isso não me fez mal nenhum”, afirma. Altevogt casou em 1959 e herdou as terras do sogro, onde edificaria a sua futura propriedade rural. Também foi nesse período que se associou à Cooperativa Languiru. “Acho que sou um dos associados mais antigos com produção ativa”, orgulha-se.

Altevogt já é produtor de leite há sete décadas e um dos associados com matrícula mais antiga

Ele compreende que a melhor fase da produção leiteira ocorreu entre as décadas de 60 e 80. Lembra que a produção da sua propriedade rural era de dois tarros por dia, algo em torno de 50 litros de leite, matéria-prima que levava à antiga Indústria de Laticínios da cooperativa. O experiente produtor também já criava suínos para o abate, no entanto, resolveu parar e direcionar o foco para a produção de leite. Isso já faz 30 anos.

Hoje, o seu rebanho é formado por nove vacas da raça holandês vermelho, cuja produção é de 300 litros de leite por coleta. Altevogt revela que, todo dia, acorda as 4h da manhã para tratar os animais e começa a ordenhar às 5h. “Optei por vacas desta raça porque o leite tem mais gordura”, justifica. Ele possui quatro filhos, dos quais apenas um segue na propriedade rural. Os outros três trabalham em indústrias. “Uma vez, sofri um acidente de trânsito e eles tiveram que assumir as tarefas para o rebanho não ficar sem comida e sem ordenhar. Foi um momento difícil”, admite.

Altevogt explica que mantém a produção leiteira por ter carinho pelo rebanho, porém, não pretende seguir por muito tempo em função da idade. “O leite deveria ser mais valorizado”, salienta. Para complementar a renda, o produtor engorda alguns exemplares de gado de corte e vende os animais para um frigorífico da região. “O colono e o motorista são pilares da sociedade, um produz e o outro transporta os alimentos. É como uma mesa com quatro pernas. Se uma estiver bamba, a mesa já vai desequilibrar e a tendência é cair. Já imaginou um dia você ir num supermercado e não ter nada para comprar? Não vai bater o desespero?”, questiona.

 

Experiência a serviço das Rações Languiru

 

Centenas de propriedades rurais e dezenas de municípios. Essas são algumas estatísticas da vida do transportador Silério Lagemann (44), sócio-proprietário da empresa Transportes Lagemann e Brockmann (Trans LB), que presta serviços terceirizados para a Languiru. Às 5h o motorista entra no caminhão e inicia o transporte de rações à granel para propriedades de associados da Cooperativa Languiru. Essa história iniciou há 26 anos, quando o teutoniense começou a transportar ração ensacada, migrando para as rações à granel em 1996. “Foi um negócio de ocasião que surgiu na época. Hoje, além de mim, temos mais um caminhão que leva rações à granel para propriedades de cooperados”, comenta.

Motorista com prestação de serviços à Languiru, Lagemann já esteve em dezenas de municípios no transporte de rações à granel

Lagemann menciona que, nesse tempo, já teve a oportunidade de conhecer localidades de vários municípios como Teutônia, Westfália, Ibirubá, Selbach, Progresso, Santa Cruz do Sul e Venâncio Aires. O caminhão silo graneleiro da empresa de transportes possui seis gavetas e capacidade de transportar até 15 toneladas de rações. “A Languiru representa muito para nós transportadores, com frete fixo e pagamentos em dia”, enaltece.

Nessas mais de duas décadas à frente de um volante, o transportador tem experiência para discernir fatos positivos e negativos do dia a dia. “Algumas propriedades ainda possuem entradas de difícil acesso, contudo, sabemos que isso muitas vezes não depende só deles. Por outro lado, praticamente todos os associados contam com silos na propriedade e já recebem um comunicado sobre as próximas entregas”, compara. Lagemann é objetivo ao definir a importância do Dia do Colono e do Motorista. “A cidade não come se o colono não tiver disposição para produzir e o motorista não tiver condições para transportar”, afirma.

 

 

TEXTO – Éderson Moisés Käfer e Leandro Augusto Hamester

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outras notícias

Fórum Tecnológico do Leite

Gerenciamento da propriedade fecha ciclo de palestras online

Fórum Tecnológico do Leite

Segunda noite do evento debate sistemas produtivos

66 anos

Cooperativa promove campanha exclusiva para associados

Fórum Tecnológico do Leite

Gestão reprodutiva do rebanho pauta primeira noite do evento

Comitê Mulheres Cooperadas

Saúde da mulher será tema de palestra no dia 27 de outubro

Temporada de Prêmios Languiru

Ganhadores do primeiro sorteio recebem premiação

Cadeia leiteira

Fórum Tecnológico do Leite traz ciclo de palestras online

Temporada de Prêmios Languiru 2021

Sorteados primeiros vales-compras e motocicleta

“Somos penta”

Prêmio Exportação RS reconhece trabalho da Languiru no segmento alimentos

Ao continuar a utilizar o nosso website você concorda com a nossa política de privacidade.