Notícias

10º Encontro dos Pais Associados – Mais de 200 participam de tradicional evento da Languiru

25/08/2016

Mais de 200 pessoas, entre associados, filhos, genros ou seus pais, residentes na propriedade e com produção para a Languiru, vindos de diferentes regiões que englobam a área de atuação da cooperativa, participaram do 10º Encontro dos Pais Associados da Languiru. O evento foi realizado no dia 18 de agosto, na Associação dos Funcionários da Languiru.

– Tradicional evento reuniu bom público na Associação dos Funcionários da Languiru (Fotos: Leandro Augusto Hamester)
– Tradicional evento reuniu bom público na Associação dos Funcionários da Languiru (Fotos: Leandro Augusto Hamester)

A programação contou com a participação e pronunciamento da direção; palestra sobre “Proteína Animal – mercado atual, desafios e perspectivas”, com o diretor-executivo do Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos do Rio Grande do Sul, Rogério Kerber; e almoço de confraternização. O evento teve por objetivo trazer novas informações e fortalecer a relação da cooperativa com os seus associados.

Cenário

As boas-vindas foram dadas pelo presidente da Languiru, Dirceu Bayer, que ressaltou a importância do tema da palestra e agradeceu a presença de todos. “É uma excelente oportunidade de integração e para compartilharmos experiências. Além disso, uma oportunidade para homenagearmos os pais de família pelo seu trabalho, dedicação e preocupação com o futuro de seus filhos e da cooperativa. Nossos índices de produtividade são muito bons graças ao trabalho de vocês, com mão de obra diferenciada, essencial para enfrentarmos o momento de dificuldade econômica mundial”, frisou.

Presidente Dirceu Bayer
Presidente Dirceu Bayer

Falando do atual cenário econômico brasileiro, Bayer mostrou-se preocupado, mas esperançoso. “A situação do país é de extrema dificuldade, mas esperamos por dias melhores. A Languiru fez o seu ‘dever de casa’, com trabalho de gestão e reestruturação interna. Mudanças implementadas já em 2015 têm possibilitado resultados positivos. Realizamos acompanhamento detalhado de todas as atividades desenvolvidas na Languiru, em todas as unidades e setores. Isso nos permitiu um melhor desempenho”, avaliou.

Bayer lamentou o alto custo de produção de carnes e a excessiva variação cambial. “A crise não é apenas no Brasil, o quadro de dificuldades está lá fora também. Porém, precisamos estar preparados para o momento em que este cenário se alterar. Cada um deve fazer o que está ao seu alcance e esperamos por momentos mais favoráveis logo adiante. A diversidade de negócios nos dá segurança neste momento, ao mesmo tempo em que a sinergia de forças permite que seja dado andamento ao grande projeto da Languiru” concluiu o presidente.

Participação

O vice-presidente da Languiru, Renato Kreimeier, enalteceu o valor da “Família Languiru”, destacando a importância da participação dos associados e colaboradores nas atividades da cooperativa. “Com esta participação nos fortalecemos e crescemos. Isso contribui para a construção de uma marca forte.”

Vice-presidente Renato Kreimeier
Vice-presidente Renato Kreimeier

Da mesma forma, Kreimeier enfatizou que o momento de crise política e econômica é mundial, o que afeta a todos, direta ou indiretamente. “A solução está no profissionalismo, deve existir em qualquer que seja o setor, e não é diferente no cooperativismo”, disse, acrescentando que “a variação cambial não pode ser absorvida apenas pelos produtores e consumidores. Por isso, procuramos pagar um preço justo por toda produção dos nossos associados, valor que beneficie os dois lados”.

Por fim, relacionou o sucesso familiar ao sucesso da cooperativa. “Se a família se dá bem, a ‘Família Languiru’ também vai bem. Vocês são donos da cooperativa e temos um excelente futuro pela frente”, concluiu, agradecendo o apoio e a confiança.

Mercado atual, desafios e perspectivas

O diretor-executivo do Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos do Rio Grande do Sul (SIPS/RS), Rogério Kerber, elogiou o trabalho da Languiru ao longo de 60 anos, creditando ao setor primário a possibilidade de geração de riqueza no Brasil. “O PIB brasileiro, em parte significativa, se deve ao trabalho dos produtores de alimentos, que hoje ascendem ao mercado internacional, na busca por novos mercados”, afirmou.

Diretor-executivo do SIPS/RS, Rogério Kerber
Diretor-executivo do SIPS/RS, Rogério Kerber

Kerber também falou de avanços tecnológicos e produtivos. “Temos deficiências, mas estamos avançando em termos de infraestrutura e, a partir disso, teremos um desempenho ainda melhor de produção. Precisamos olhar para quem está a nossa frente e tem muito a nos ensinar, corrigindo fragilidades”, ressaltou.

Sobre índices de produção, ele lembrou que o Brasil é um dos principais fornecedores de produtos agropecuários para o mundo. “O agronegócio brasileiro é celeiro do mundo. Somos os maiores produtores e exportadores de açúcar, café, suco de laranja e cana-de-açúcar. Também somos o 2º maior produtor de carne bovina, carne de frango e soja e o maior exportador nesses três ramos. Também somos o 3º maior produtor de milho, o 4º de carne suína e carne de peru e o 5º de algodão”, enumerou. Para Kerber, “o Brasil é uma máquina de produzir. Estamos avançando, incorporando tecnologias, materiais genéticos e qualificando a capacidade dos produtores, que fazem a diferença para alcançarmos novos e importantes mercados”, enalteceu.

Crescimento

O palestrante foi enfático: há um aumento da demanda mundial por alimentos. Nesse cenário, a projeção de incremento no consumo mundial de 2011 a 2020 é bastante significativo, em especial para o setor de aves (22,3%), ovinos (19,5%), suínos (16,2%), bovinos (13,7%), arroz (12,6%) e trigo (9,8%). Paralelamente a isso, Kerber alertou para o aumento da população urbana. “Se na década de 90 quatro de cada dez pessoas viviam em áreas urbanas, até 2050 serão sete a cada dez. O mercado vai continuar existindo e vamos ter que produzir cada vez mais. O setor de produção terá protagonismo em termos de atendimento à demanda internacional. As dificuldades brasileiras vão passar e vamos seguir com papel importante no abastecimento e produção de alimentos no mundo”, previu.

Direção e associados prestigiaram palestra de Kerber
Direção e associados prestigiaram palestra de Kerber

Para ele, a produção brasileira terá que atender uma demanda internacional crescente na medida em que os centros consumidores e a população mundial aumenta sua renda, aumentando o consumo de produtos de proteína animal. “Este é o grande desafio que temos como país produtor de alimentos e que reúne as condições ideais para produzir”, acrescentou Kerber.

Mercado internacional

“Hoje o Brasil é o 4º maior exportador mundial, com US$ 86 bilhões, atrás apenas dos Estados Unidos (US$ 172 bi), da Holanda (US$ 102 bi) e da Alemanha (US$ 92 bi). Isso demonstra que somos um país com representatividade. Temos as nossas mazelas, mas num processo de melhoria contínuo, podemos seguir crescendo”, alertou Kerber, ressaltando a necessidade de incorporação de novas tecnologias, conhecimento, equipamentos e material genético

Associados e filhos de associados receberam brinde da Languiru na recepção ao evento
Associados e filhos de associados receberam brinde da Languiru na recepção ao evento

Desafios

Entre os maiores desafios para o setor primário brasileiro, Kerber falou da instabilidade econômica e política; desindustrialização; política agrícola, clima (La Niña) e marcos regulatórios.

“Existe uma grande preocupação com a taxa de desemprego, uma vez que pessoas desempregadas são menos consumidores do outro lado do balcão buscando nossos produtos, com renda familiar comprometida. A variação cambial também é uma preocupação importante, assim como a inflação persistente, que também nos alcança, com o custo do recurso financeiro mais alto”, explicou.

O palestrante falou das particularidades dos diferentes setores produtivos e, apesar das dificuldades, se disse otimista. “A crise também está lá do outro lado, embora aqui seja mais grave. Mas há indícios de que a situação começa a se estabilizar, com a retomada da confiança, e num curto espaço de tempo podemos começar a perceber uma inversão”, concluiu Kerber, elogiando a Languiru pelo evento. “É uma forma de valorizar as pessoas, uma oportunidade em que direção, associados e colaboradores podem conviver socialmente.”

TEXTO – Leandro Augusto Hamester

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outras notícias

500 Maiores do Sul

Languiru é a terceira maior cooperativa de produção do Rio Grande do Sul

66 anos

Languiru apresenta novos mascotes

66 anos

Em reunião, Líderes de Núcleo recebem certificação

66 anos

Transmissão online fecha programação festiva da Languiru

66 anos

Languiru aposta em projetos sociais de inclusão e desenvolvimento

66 anos

Semana de Negócios das lojas Agrocenter Languiru integra programação de aniversário

66 anos

Roteiro de inaugurações marca véspera do aniversário da Languiru

66 anos

“Viemos para ficar no Sul do Estado”

66 anos

Importância econômica e social da Languiru pauta discursos de vereadores na tribuna

Ao continuar a utilizar o nosso website você concorda com a nossa política de privacidade.